Jaraguá

A Terra Indígena Jaraguá é menor do Brasil, com apenas 1,7 hectares. Sua dimensão é insuficiente para os Guarani que nela vivem.

É assustador, pois, que se queira diminuir o espaço já exíguo, removendo uma das aldeias. A omissão do ministro da justiça em assinar a portaria dclaratória da TI é uma das razões desse quadro.

Se acontecer a reintegração de posse, a perda para São Paulo será imensa. A cidade deve manifestar-se contra esse abuso por respeito à diversidade, que seria perdida com a expulsão desse povo; pelo respeito à Constituição da República e aos direitos originários – pois as terras indígenas são inalienáveis – e por consciência de si mesma: poucas cidades brasileiras apresentam tantos nomes indígenas de logradouros públicos, e deveram tanto de seu passado aos índios.

Em outras partes do país, a remoção dos povos indígenas se faz mediante envenenamento dos rios, assassinatos, ameaças e outros recursos do agrobanditismo, bem como pelo financiamento bilionário e público de ecocídios. Em São Paulo, trata-se de ordem judicial, mas nela também há violência.

Como índio é nós, apareçamos todos no ato do dia 25 de julho, às 15 horas, em frente à Justiça Federal (av. Paulista, 1842). Nessa ocasião, será julgado o recurso da Funai contra a ordem de reintegração de posse expedida contra os Guarani.

ATUALIZAÇÃO: A reintegração foi suspensa, mas o ato foi mantido. Outra novidade é que os Guarani ocuparam novamente uma de suas aldeias na Terra Indígena Jaraguá, Sol Nascente, de onde haviam sido expulsos por uma ação de reintegração de posse: https://www.facebook.com/media/set/?set=a.708613362539223.1073741852.548705488530012&type=1

Quem estiver no facebook poderá confirmar presença nesta ligação: https://www.facebook.com/events/685383891509563/

Abaixo, transcrevemos o início da chamada do ato organizado pela Comissão Guarani Yvyrupa:

O JARAGUÁ É GUARANI! CONTRA A REINTEGRAÇÃO DE POSSE NA ALDEIA TEKOA PYAU

A “Justiça” dos brancos decidiu que temos até o 27 de julho para desocupar nossa aldeia Tekoa Pyau, próxima ao Pico do Jaraguá, onde moram mais de 500 dos nossos parentes, a maioria crianças. Por isso, no próximo dia 25/07, nós indígenas guarani-mbya estaremos unidos em frente ao Tribunal Regional Federal com parentes de várias aldeias, rezando e dançando, mostrando toda nossa força para resistir a essa decisão absurda e genocida!
A Terra Indígena Jaraguá, onde está inserida a tekoa pyau, já foi reconhecida pela FUNAI como de ocupação tradicional do nosso povo e cabe ao Ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, assinar a Portaria Declaratória que dá continuidade ao processo de demarcação de nossas terras. Sem a demarcação, a terra em que vivemos está pequena demais para poder ensinar nossas crianças a viver do jeito guarani e, ao invés de mandar o Ministro Cardozo assinar, o juiz Clécio Braschi resolveu mandar a polícia pra tirar o pouco que temos.
Por isso, vamos ao TRF na Av. Paulista onde levaremos todas as crianças da aldeia que correm risco de despejo para protocolar desenhos que elas fizeram para o juiz substituto Alessandro Diaferia que deve julgar o recurso apresentado pela FUNAI para reverter essa decisão.